Main Contents

Acesso fácil à informação? Até quando?

Por Marco Lopes em 2008

Será possível que um grupo de idiotas ainda consiga vir a "dar cabo" da Internet? Eu não tenho uma resposta concreta para dar a esta pergunta. Será que alguém tem?

Acorrentado

A Internet é enorme, nem irias acreditar o quão vasta, enorme, mentalmente atrofiante grande ela é. Até podes pensar que aceder a coisas refundidas como os newsgroups é ir longe, mas isso não é pevas comparado com o tamanho da internet!

Não é fácil arruinar algo tão grande e com as características da Internet. Mas existem lobbies, grupos organizados de gente que, apesar de não o saber, tem como objectivo levar a era da informação de volta aos anos 80. E o pior, é que essa gente tem poder, muito poder. Será possível fazer frente a esse tipo de desafios que tem surgido cada vez mais, nos dias que correm?

Desafio nº1 - Os formatos fechados manhosos

Tentar fechar todas as saídas, e obrigar o mundo a ficar dependente de uma empresa não é prática nova. Já muitos o tentaram fazer e na informática, a Microsoft têm-no feito como prática corrente desde que nasceu. Mas, até agora esse domínio nunca foi oficializado. A standartização de formatos proprietários e que mantém os utilizadores, sejam indivíduos ou empresas, presos à empresa responsável por esses formatos, sempre foi consequência do uso desses mesmos formatos por uma maioria pouco esclarecida.

Mas agora, apesar de a Microsoft já não ter o poder sobre os utilizadores que teve há poucos anos atrás e apesar do mercado estar mais dividido, assistimos a um novo ataque. Esse ataque apoia-se em armas que podem vir a desequilibrar a balança. Os lobbies.

Entidades que supostamente deviam tentar criar um standard para os formatos que permita a compatibilidade e a fácil leitura desses formatos por toda a gente, aparecem a fazer exactamente o oposto. Refiro-me a coisas como a insistência da adopção de um formato proprietário, fechado e não interoperável para documentos de aplicações tipo office.

A grande diferença entre esta situação e a que se tem vivido até agora, é que desta vez esses formatos podem vir a tornar-se um standard oficial, creditado por entidades oficiais que deveriam promover a interoperabilidade.

Se os formatos de aplicações de escritório são uma das peças importantes nesta questão, não são as únicas. Cada vez mais vemos formatos patenteados e fechados a surgir como forma de troca de informação.

Temos o pdf, formato da Adobe. Empresa que demonstrou há alguns anos do que é capaz, ao enviar para a prisão um russo que numa conferência demonstrou as falhas do sistema de segurança do pdf.

Temos o Flash, agora também nas mãos da Adobe, outro formato fechado, cada vez mais a colocar em perigo os formatos abertos geridos pela w3c. O Flash, pode agora também ser indexado pelo google e yahoo com as consequências negativas que isso pode trazer. E isto leva-nos ao desafio nº 2.

Desafio nº2 - A Internet como um circo

A indexação do Flash pelos motores de pesquisa é outro risco. Actualmente, a Internet é uma fonte de informação e os motores de pesquisa são o índice que nos permite encontrar essa informação. Existem alguns... muitos... sites que são um autêntico circo, com coisas a piscar, bonecada a saltar, música irritante, the whole nine yards.

Este parece ser um dos desafios mais fáceis de ultrapassar. O spam de keywords em sites sem conteúdo interessante, é facilmente evitável com adaptações aos algoritmos já usados hoje em dia para filtrar informação nos motores de pesquisa.

O outro perigo vindo daqui são os sites que realmente têm conteúdos interessantes, mas... são feitos em Flash e por isso o conteúdo está perdido algures dentro de um movie. Uma das situações que pode ocorrer, é ter como resultados sites que trazem a informação que procuro mas que me obrigam a andar perdido dentro de um Flash à procura da parte do movie onde essa informação se encontra.

Penso que as desvantagens deste tipo de situação irão por si próprias levar à solução dos problemas que possam surgir e é por isso pouco preocupante.

Desafio nº3 - O lápis azul que risca a informação

A união europeia encontra-se sob pressão de algumas empresas e cartéis, para limitar o acesso dos cidadãos à Internet. A ideia é que só algumas aplicações certificadas por cada país, sob directivas da UE, possam aceder à Internet, através dos ISPs desse país. Como seria de esperar, alguns políticos mais corruptos já se estão a chegar à frente para beneficiar estas empresas em troca de alguns lucros por fora.

Se por um lado com alguma facilidade os utilizadores ignoram um ISO se este serve outros objectivos que não sejam a uniformização e interoperabilidade. Se os motores de pesquisa se adaptam e penalizam conteúdos sem qualidade. A imposição de censura sob ameaça de prisão não é tão fácil de ultrapassar. E é disso que se trata neste terceiro ponto.

O sucesso de uma medida deste género pode arruinar totalmente a utilidade da Internet e levar o mundo a uma idade média da informação. Se a liberal europa segue uma política destas, imagine-se o que os conservadores EUA poderão vir a fazer?

Outra consequência indirecta desta medida seria a morte de todo o software não desenvolvido pelas grandes empresas que conseguem a aprovação dada por essa nova PIDE que iria regular o acesso à Internet. Começando por uma descrição do computador onde estou actualmente, fica bem claro o problema.

Software Livre

Seria quase impossível qualquer Software Livre conseguir a dita certificação, tendo em conta que o seu código é aberto e que qualquer programador poderia facilmente alterar esse software certificado para fazer algo que essa certificação tenta evitar.

Pequenas Aplicações

Quantas pequenas aplicações ou utilitários de rede uso no meu computador? Nem sei dizer. Desde o ping, tracerout, dig, whois, ssh, scp até aplicações como o Gnome Clock que se liga a um servidor para mostrar um pequeno painel com a temperatura, mail notifiers, etc... Seria alguma vez possível conseguir a aprovação individual de cada uma desses milhares de aplicações? Creio que não, e a consequência disso seria o seu desaparecimento.

Aplicações Alternativas

Eu uso o Pidgin, no Mac uso o Adium, uso o Thunderbird e o, um bocado menos alternativo, Firefox. Não só as empresas que possuem o software dominante teriam mais um local onde poderiam tentar impedir a aprovação dos seus concorrentes, como o facto de serem aplicações usadas por uma minoria levariam a que, como já acontece actualmente, fossem ignoradas. Mais uma vez, sem certificação que lhes permita aceder à Internet, para que serviriam?

Conclusão

Alguns mais graves, outros menos. Alguns facilmente ultrapassáveis outros não. Se por um lado acho difícil que se consiga impôr aos cidadãos uma medida tão castradora como a que a união europeia ameaça, por outro não estou a ver a maioria das pessoas levantar-se da cadeira para o tentar impedir.

Posso estar a ser um pouco dramático, mas a verdade é que cada vez mais a Internet está sob este tipo de ataques e a liberdade de outros tempos já não é uma realidade nos dias de hoje. Será mesmo possível que ainda venham a arruinar a Internet e que o fácil acesso à Informação que temos actualmente venha a ser uma coisa do passado?

Permalink | Enviar post por email Enviar post por email | Opiniões

3 Comentários

  1. Hugo Cordeiro Julho 14, 2008 @ 05:22

    Podia responder-te com um rotundo ‘Claro que não… o ppl organiza-se… faz yagis com latas de pringles e cria redes wireless paralelas passando por cima dos ISPs e das operadoras…

    Mas a verdade nua e crua é que já se fazem tantas alarvidades e o povo lá vai vivendo e chorando… porque é mesmo preciso pagar ISP senão o país abre falência, porque metem um imbecil algures a mexer na taxa de juro só porque sim… agora baixo e meto os bancos a incentivarem a compra de casa, agora levanto e o ppl fica todo agarrado…. muáhahaaha ficamos com as casas dos imbecis… muáhahaha não podem pagar? vamos lá ser bonzinhos e passar empréstimos de 30 anos para 50 anos… só ganhamos mais 20 anos de juros…

    mmmm…. onde é que eu ia? ahh sim… as coisas fazem-se e o povo vai curtindo numa boa deixando tudo passar ao lado, convencido que ‘é assim…’ e ‘não há nada a fazer’…

    Porque o povo é coitadinho, inconsciente e se encontra totalmente manupilado, a resposta será mais do tipo:

    Sim, eles levantam as medidas castradoras que bem entenderem, porque dos 300M+ cidadãos europeus, apenas uma percentagem insignificante tem os olhos abertos e esses não têm poder para fazer nada… E o restante povo come e cala… como sempre…

    Cambada de imbecis vergados!

  2. Marco Lopes Julho 14, 2008 @ 09:46

    Hum… perdi-me um bocado! É não ou é sim? :mrgreen:

1 Trackback(s)

  1. Julho 11, 2008: Linkroll | Repeat Until Keypressed

Deixe o seu comentário


Feed